G01 _Precisamos falar sobre Alphaville

Precisamos falar sobre Alphaville

Beatriz Dias | Beatriz Sallowicz | Camila Moraes | Inaê Negrão | Marina Schiesari

Etapa 01

A partir do objetivo de seguir com a temática proposta com o estudo de Alphaville propomos um exercício especulativo ao unir, nesse momento, a pesquisa do grupo 01 com a do grupo 03 de mesma orientação. Essa etapa nasce com a conclusão de que ambas as temáticas abordadas pelos grupos não apenas são complementares, mas também, se definem como extremos opostos na temática habitacional da cidade de São Paulo. Alphaville é afirmada como extremo luxo e ostentação enquanto as estruturas modulares auto construtivas se definem pela versatilidade construtiva. Após a definição dos polos, a tentativa foi identificar a massa cinza que consiste nos modos de habitar intermediários, se pensada uma gradação econômica. Para isso, foi traçada uma linha que ligaria Alphaville a Santa Cecília, no centro de São Paulo, e puxar exemplos das quatro categorias intermediárias elencadas: edifícios residenciais multifamiliares de alto padrão (Perdizes); residências unifamiliares horizontais de classe média (Vila Leopoldina); conjunto habitacionais (COHAB Cingapura) e favela (Nova Tietê).

Etapa 02

 

Como objetivo para essa etapa do desenvolvimento do trabalho, decidimos sistematizar todo conteúdo levantado na produção do semestre anterior, unificando a linguagem gráfica dos produtos. Assim, pudemos revisar propostas tidas como definidas e ao mesmo tempo formular novas proposições para a continuidade do trabalho.

Nos debruçar em pesquisas sobre a estruturação territorial da cidade de São Paulo foi de extrema importância para a compreensão do conjunto de fatores que definiram esse processo e consequentemente a tendência à segregação urbana, melhor exemplificada com o modelo condominial estudado. O estudo do “caminhamento” da elite em São Paulo faz refletir sobre esse modelo urbanístico de grande reprodução em escala nacional. Logo, optamos por uma lógica oposta ao focar no exercício de compreensão sobre a população não moradora, e sim, prestadora de serviços.

A enorme discrepância entre os condôminos e a população flutuante, nos alude à imagem dessa grande força motriz que mantem Alphaville ativa e que no meio desse processo perde sua individualidade. Para isso, organizamos idas a campo para nos dedicar às narrativas dos perfis estabelecidos pelo grupo, afim de ao contrário do semestre passado, voltarmos a uma análise de caráter qualitativo.

 

 

 

 

 

Etapa 03

Nesta etapa do trabalho, nos concentramos em organizar e reformular todos os produtos que já temos para que sejam unificados em uma mesma linguagem e assim a leitura da pesquisa se dê de maneira mais clara e objetiva.

Todo o material produzido será organizado em dois produtos diversos de maneiras diferentes: em um site, de modo que o conteúdo possa ser explorado livremente e em uma publicação, de modo que o material siga a lógica de uma narrativa.

quadro com o conteúdo existente até então:

Imagem síntese da produção atual do grupo:

Para a exposição da pesquisa, um ambiente com a projeção do site e a exposição da publicação foi pensado:

Etapa 04

Na etapa de conclusão foi finalizada a reformulação dos conteúdos segundo a nova linguagem proposta, assim como nos dedicamos à produção textual da publicação final, junto à elaboração da nova interface do site pensado como ferramenta de debate sobre o tema. Tal revisão do conteúdo foi necessária para as considerações finais do trabalho e reorganização da publicação. Além da reorganização dos produtos, realizamos outra visita à Alphaville para novos registros do local.

capa da publicação 

link da publicação:

condomínios residênciais de Alphaville
alguns produtos atualizados na nova linguagem

link do site: https://sobrealphaville.wixsite.com/precisamosfalar