TEMPO LIVRE – G09

Ana Beatriz Robazzi Mussolin, Carolina Caminata Carminholi, Ana Carolina Hidalgo Martini, Marília Virgilio Serra, Juliana Cristina Sanches Ricci Topazi, Débora Cristina Barros Neves

ETAPA 3

O objetivo do trabalho foi desenvolver um conhecimento profundo a respeito de determinados espaços públicos em um dado território, afim de compreender verdadeiramente as complexas dinâmicas humanas que os definem e transpor a barreira do projeto importado, distanciado e vertical.

Visando assim mapear e analisar para uma construção coletiva de olhares territoriais que impulsionam e facilitam práticas que venham a transformar o espaço público.

Procuramos diagramar em uma prática coletiva nutrida de múltiplos olhares, enfoques e variações para assim apreendermos melhor o território.

A primeira etapa do trabalho ao analisarmos a região do Campo Limpo escolhemos o eixo da Estrada do Campo Limpo para estudar mais afundo e elegemos quatro praças ao longo desse mesmo eixo, sendo elas:

  • Praça Estrada Pirajussara
  • Praça Roberto Monjardim Gonçalves
  • Praça João Tadeu Priolli
  • Praça Amador Augusto

Ao final dessa etapa chegamos a conclusão de que os projetos devem ser pensados a partir de uma analise mais profunda do local considerando aspectos mais sociais e intrínsecos ao território.

Desde a primeira etapa de trabalho acreditávamos na importância de vivenciar esses espaços públicos para melhor apreensão desse território, por isso buscamos fazer diversas visitas a sitio ao logo do trabalho.

Na segunda etapa de trabalho buscamos fazer a nossa leitura, com um olhar de estudantes de arquitetura. Analisamos esses espaços públicos através de layers mais sensitivos como, ruídos, odores, estereótipos, tempo de permanência e caminhos propostos. E ao finalizar essa etapa chegamos a conclusão de que a visão dos usuários em relação a essas praças seria de extrema importância para o arremate dessa analise.

E foi então na terceira etapa que buscamos analisar o território através do olhar do usuário que vivencia esses espaços públicos diariamente. Escolhemos em cada praça pontos de vista que melhor representasse elas e através de layers os usuários poderiam criar uma perspectiva com aspectos que melhorariam a praça. Fizemos adesivos com equipamentos, usos, pessoas, vegetação, lixeiras, iluminação e bancos que poderiam ser colados nas fotos criando essas novas perspectivas.

E depois de analisar essas perspectivas feitas pelos usuários fizemos fotos montagens que uniam as nossas analises e as deles criando assim propostas de como esses espaços públicos poderiam ser melhores.

Acreditamos assim que conseguimos chegar a uma proposta de espaços públicos que procura abarcar aspectos mais sociológicos e sensitivos.

E com esse trabalho não estamos encerrando a prática nem a experiência, acreditamos que outros layers possam ser feitos, pois muito ainda há para apreender e explorar do território, pois esse se modifica diariamente.

ETAPA 2

ETAPA 1