TEMPO LIVRE – G13

Martin Arena Degen, Nicholas Sartori Gennari, Tiago Guimarães Rodrigues, Ana Sayeg Tranchesi, Manuela Pereira Barretto Salgueiro Lourenço

ETAPA 1

ETAPA 3

Como tema da discussão – o tempo livre na região do Campo Limpo, – o trabalho sugere a crítica à execução de um projeto de arquitetura feito no estúdio sem estabelecer vínculos com o lugar e com a população local. O trabalho busca, então, estimular e encontrar a subjetividade do Campo Limpo e das pessoas que o habitam, de forma a entrar em contato com esse subconsciente lúdico. A primeira etapa do projeto consistiu em realizar uma atividade de desenho em tres áreas distintas da região: a Praça do Campo Limpo, entendido como “tempo de estar”; a Estação do Campo Limpo, como “tempo de deslocar” e um escadão entre moradias, visto como o “tempo do morar”. A ideia é de que, nos diferentes locais, a partir das diferentes noções de tempo, se desenhasse aquilo que se enxerga como Campo Limpo e, também o que se imagina dele. Desejamos, sobretudo, criar estímulos para a reflexão sobre este espaço e como nos inserimos nele. O desenho foi escolhido por não ser uma atividade mecânica, e sim porque acreditamos que ele possa gerar um momento de concentração e portanto, reflexão. Além disso, entendemos o desenho como linguagem universal e de fácil compreensão. A praça e o “escadão” foram escolhidos em conjunto com coletivos da região. Os coletivos já previam fazer atividades culturais nestes espaços. Visto isso, a nossa união se torna inevitável uma vez que se procurou ter mais força no evento. Durante a atividade de desenho, outros programas ocorreram simultaneamente (organizados pelos coletivos), com a intenção de ocupar e ativar o espaço público, acreditando no seu potencial transformador. O objetivo visa tornar o tempo livre em um momento de subjetividade, portanto, de liberdade. Estes eventos foram documentados por meio de vídeo, fotos, texto e, claro, através de desenhos. procurando concluir o raciocínio, tanto do grupo quanto dos que participaram das atividades, foi proposta uma projeção do material filmado. a princípio, o que foi documentado em um espaço seria projetado no outro e vice versa. assim, a intenção era criar uma conexão virtual e física, de tempo e espaço no Campo Limpo, procurando transpor um local territorialmente fragmentado.