G13 – Memorial da América Latina

G13- Memorial da América Latina

Carolina Dentes, Giovanni Frazzatto, Guilherme Paschoal, Glauber Trianna, Nicole Cahali

 

A cidade que se apresenta para o grupo 13 do estúdio vertical é uma cidade com problemas. Problemas estes que em sua maioria são causados pela constante destruição e reconstrução da cidade. O frequente ato do construir acaba por gerar uma série de anomalias no meio urbano. Para o grupo o gerador desses percalços muitas vezes é o poder público e o mercado imobiliário.

Para nós, grupo 13, não iremos nos ater aos pormenores de compreender e discutir como nossas cidades se estruturam, mas nos interessa como agir nesta realidade estabelecida. Qual é o papel do arquiteto diante dessa cidade, compreendendo que possuímos uma forte herança moderna? Como transformar os espaços para quem realmente os utiliza? Como não demolir para criar? Estas perguntas nortearam o trabalho.

Sob tais perguntas o grupo demonstrou um interesse de trabalhar com RUÍNAS. A primeira abordagem, naturalmente, foi romântica. Ou seja, edifícios abandonados, quebrados nos saltavam aos olhos e rapidamente se tornavam objetos de estudo e de interesse. Tal visão nos limitava, pois de alguma forma atribuíamos conceitos externos para compreender determinado lugar, sendo que por conta de tal visão sempre tínhamos uma visão negativa do lugar. Neste momento do trabalho compreendemos que talvez fosse o caso de criar uma conceituação de ruína que atendesse melhor o grupo, neste debate acabamos compreendendo que não é apenas de tijolos aparentes e vidros quebrados que configuram uma ruína.

A falta de significado para o grupo, a extensão do projeto, o fato de ser uma obra moderna, acabaram nos encaminhando para o Memorial da América Latina. Neste espaço acabamos por desenvolver uma compreensão simbólica da ruína e consequentemente.

Ao estudar o memorial, nos pareceu interessante começar por uma linha do tempo. Nesse processo compreendemos que desde a geratriz do anseio de fazer um memorial da América Latina já haviam sérias questões. O viés comercial de juntar nações afim de estabelecer relações comerciais era o cerne para Orestias Quércia, então prefeito de São Paulo, que encomenda o projeto a Oscar Niemeyer.  A má administração e o distanciamento das reais necessidade dos usuários com o projeto são uma tônica dos 27 anos do memorial.

Após esse estudo, pela linha do tempo, do memorial percebemos que ainda possuíamos um olhar com um certo preconceito perante ao memorial e que, com estes olhos, dificilmente conseguiríamos extrair algo de bom daquele lugar. Sob tal constatação adotamos uma abordagem de passar mais tempo no local. Observar, anotar, conversar, desenhar, vivenciar passaram a ser os verbos estruturadores  do trabalho. Mastigar o próprio conceito que havíamos criado anteriormente dentro das lógicas do lugar foi o grande mote dessa etapa do trabalho. Após a vivencia do lugar o conceito de ruína ainda parecia pertinente, mas este conceito se apresentava de maneira muito sutil para o grupo.

A ruína, agora, é a condição de um objeto que está no seu limiar de ser totalmente aproveitado e de alguma forma isto não se realiza. Tal conclusão foi obtida através de uma série de conversas com funcionários do memorial e visitantes. Todos apresentavam uma certa rotina, mesmice, em seu cotidiano que eram ressaltadas pela escala do projeto. A moça da biblioteca que para passar o tempo observava as pessoas tirarem selfie com a estátua da mão, pois a biblioteca obteve seus livros retirados e hoje apresenta um acervo muito reduzido e sem importância. As crianças que ao saírem da exposição do Castelo Rá-tim-bum aparentam uma vontade de gastar energia e com frequência são inibidas pelos seguranças, entediados de pedirem para as pessoas não sentarem no guarda-corpo da passarela. Outro acontecimento que nos chamou nossa atenção durante as vivências, foi a presença de vários containers localizados na frente dos tapumes da reforma do auditório, que pegou fogo por falta de manutenção, com uma série de lanchonetes, sendo a de maior sucesso a do churros.

O projeto impõe um certo respeito, e sua administração insiste em reforçar tal caráter. O cívico pensado pelos modernos de fato exige uma tabula rasa para apreender seus edifícios e refletir sobre a existência humana. Tal condição exigida pelo programa é anacrônica com a realidade em que o memorial esta inserido. Este se encontra entre três unidades consideráveis da UNIP e do terminal Barra Funda. O constante fluxo de ônibus, pessoas, ambulantes não condiz com os 90.000m² de pura contemplação.

O memorial se localiza em um local arterial da maior cidade da américa latina. É necessário que este passe a dialogar com esta condição da cidade e que pare de se fechar em um fetiche moderno. Para isto nós como grupo decidimos pegar nossos levantamentos feitos através das pessoas que vivem o memorial e a partir destes dados pensar um projeto capaz de dialogar a situação urbana que o memorial se encontra com seu caráter cívico, sem destruí-lo obviamente.

Diante dessa premissa, um desenho de piso que atenda fluxos e permanências, que proponha usos e passagens e que seja lúdico e objetivo é o trabalho deste humilde grupo 13.

ENTREGA FINAL

Planta Geral
Planta Auditório
Corte Auditório
Cena Auditório

 

 

 

ENTREGA 02

 

ENTREGA 03